Valentina Desideri and Denise Ferreira da Silva: Sensing Salon by Ricardo Dezembro 09, 2019 0 Investigação, Novidades anteriores

Data: 14 a 18 Janeiro 2020

Localização:
HANGAR – Centro de Investigação Artística
Rua Damasceno Monteiro, 12
1170-112 Lisboa
https://hangar.com.pt
facebook
instagram

Coproduzido and co-comissionado por
KADIST, Paris, no programa do projeto de três anos Not Fully Human, Not Human at All da Kadist, curated by Nataša Petrešin-Bachelez, em conjunto com Hangar, Lisbon and Kunsthalle Lissabon, Lisbon

Photo: Sensing Salon, Artspeak, Vancouver (November 24–December 16, 2017) photo by Erik Hood

DETALHES

O Sensing Salon é uma prática em estúdio que expande a imagem de arte para lá de objetos, eventos e discursos para incluir as artes curativas. Através de formatos que facilitam o estudo e experimentação colectiva com diferentes práticas e ferramentas de leitura (Ex: Tarot e Astrologia) e cura (Ex: Reiki e Terapia Política), que adota uma forma de sociabilidade que atende à nossa complicada existência.

Para esta ocasião, o Sensing Salon irá assumir um formato de duas partes: um grupo de estudo privado (com convidados) durante quatro dias (Terça, 14 de Janeiro, a Sexta, 17 de Janeiro), que irá culminar numa partilha aberta do processo na noite de sexta e um simpósio público de um dia, no Sábado 18.

O grupo de estudo irá juntar convidados que irão fazer parte do simpósio, como também artistas, ativistas e intelectuais com base em Lisboa. O grupo de estudo irá partir da questão que encerra o filme Serpent Rain (2016) de Arjuna Neuman e Denise Ferreira da Silva: “O que seria do Ser Humano se nos manifestássemo-nos através dos elementos?”. A questão inspirada pela sensação da firmeza da linearidade da metafísica (e os seus respetivos descritores epistemológicos, como a separabilidade e a fixação) tem em conta nas nossas imaginações para a prevalência da violência na existência do mundo global moderno. De experimentar com práticas e ferramentas que se presume de profunda implicância (como as do Tarot, Reiki, Astrologia, etc), há mais de cincos anos, encontrámos que, entre outras, elas criam uma forma de sociabilidade que não presume da separabilidade fundamental que prevalece na existência, a nível filosófico, cientifico-social e representações do senso comum. Um importante aspeto destas práticas é que os elementos clássicos (ar, fogo, água e terra) e a sua correspondência (or semelhanças) constituem um léxico e gramática. Ao emoldurar a questão do Ser Humano em volta da possibilidade de o descrever usando os elementos, esperamos criar um espaço de estudo que explore as possibilidades que se abram quando similaridades permutem linearidade como uma base metafísica para pensar e existir.

O grupo de estudo irá juntar-se por quatro dias e dedicará cada dia ao estudo do Ser Humano através de um elemento. Sugerimos aos convidados que enquadrem os trabalhos em cada elemento e que abram as suas possibilidades de repensar a categoria de ser Humano através da sua prática e da forma que se relaciona com o elemento. Os quatro convidados são:

– Ar (abstração, causa forma, interpretação, forma, poder como regra): Mark Harris é um académico e ex-advogado de direitos fundiários, trabalhando em temas relacionados aos direitos indígenas e à água.
– Fogo (transubstanciação, causa final, criação, começo, poder como energia): Jota Mombaça é escritor e performer que trabalhou na relação existente entre a humanidade e a monstruosidade, o fim do mundo, a justiça anticolonial e a ficção visionária.
– Terra (movimento, geração, causa material, material cru, consolidação, poder como opressão): Kobe Matthys/Agency é um ativista e artista cujas prática incluem a permacultura e outros métodos sustentáveis.
– Água (destilação, relação, causa eficiente, nutriente, extração, poder como relação): Stacey Ho é uma artista com base em Vancouver cujo trabalho explora intimidade através da construção de relações que se podem expressar como infusão, bem como a escrita.

Na Sexta, 17 de Janeiro, às 19:00, iremos hospedar um evento aberto onde nos poderemos reunir todos e experimentar, partilhar com o grande publico, juntos com o filme Serpent Rain (2016) de Arjuna Neuman e Denise Ferreira da Silva.
No Sábado, 18 de Janeiro, iremos hospedar o Simpósio Toward a Transformativa Theory of Justice, que irá elaborar nas questões que guiaram esta viagem pelo Sensing Salon. Iremos tentar tecer juntos os elementos, as práticas dos nossos convidados e as formas de pensar sobre justiça que elas nos abrem. Raquel Lima fará uma palestra.

Programa

14 -17 de Janeiro, 2020
Grupo de Estudo (sessões privadas/convite)

17 de Janeiro, 19h
Sessão Publica do Grupo de Estudo + Visionamento de Serpent Rain (2016), de Arjuna Neuman e Denise Ferreira da Silva

18 de Janeiro, 12h-17h: Simpósio Toward a Transformative Theory of Justice
12h-13h Introdução do Sensing Salon & a questão do Ser Humano por Valentina Desideri e Denise Ferreira da Silva
13h-14h Keynote speaker Raquel Lima (Centro de Estudos Sociais – Universidade de Coimbra)
14h -15h Pausa para Almoço
15h-16h Painel Elementar: Do Ar à Água (Mark Harris & Stacey Ho)
16h -17h Painel Elementar: Da Terra ao Fogo (Kobe Matthys & Jota Mombaça)
17h -18h Discussão & Bebidas

Sobre o Projeto Not Fully Human, Not Human at All

Um projeto de colaboração curatorial, concebido por KADIST, Paris e com a curadoria de Natasa Petresin-Bachelez, estende-se por três anos (2017-2020). Concentra-se na Europa como uma estrutura geográfica e conceptual, que reflete na desumanização que carateriza muitas das atividades que o ser humano vem realizando em nome da “humanidade” através de várias civilizações. O titulo é emprestado do texto de Donna Haraway  “Ecce Homo, aint’ (Ar’n’t) I a Woman, and Innapropriate/d Others”, onde fraseia Hortense Spillers, uma teória feminista negra, sobre a descartabilidade e inexistência de qualquer subjetividade legal dos escravos na América.
Comissões artísticas que emergem deste projeto, foram realizadas em colaboração com as instituições em três países diferentes da Europa: Lumbardhi Foundation em Prizren, Kosovo, Netwerk em Aalst e Contour Biennale 9 em Mechelen, Bélgica, e Hangar e Kunsthalle Lissabon em Lisboa, Portugal. As Conversas comissionadas sobre antigo conhecimento e poder feminino reprimido através do reviver de mitos urbanos locais e da mitologia Gega (O Projeto Europa Enterprise iniciado por Andreja Dugandzic, Jelena Petrovic e Lala Rascic), sobre o papel do sistema legal ocidental na constituição de nações-estado globais extrativistas, racistas e neocoloniais (Projeto The Empire of Law de Daniela Ortiz). Sensing Salon de Valentina Desideri e Denise Ferreira da Silva é a terceira e ultima comissão do projeto.

Para mais informações:

Not Fully Human, Not Human at All

KADIST acredita que artistas contemporâneos fazem uma importante contribuição para uma sociedade progressiva, os seus trabalhos regularmente endereçam problemas chave do nosso tempo. KADIST, uma organização não-governamental dedicada à exposição de trabalho de artistas representados na sua coleção, encorajando o engajamento e afirma a relevância da arte contemporânea no discurso social. O seu programa desenvolve colaborações com artistas, curadores e muitas organizações de arte à volta do mundo, facilitando novas conexões através das culturas. Programas locais no hub da KADIST em Paris e São Francisco incluem exposições, eventos públicos, residências e iniciativas educacionais. Complementado por uma network online ativa, eles tem como objetivo em criar conversas vibrantes sobre arte e ideias contemporâneas.

www.kadist.org

Colaboradores

Denise Ferreira da Silva
A escrita académica e percurso artístico de Denise Ferreira da Silva aborda questões éticas do presente global e visam as dimensões metafísicas e ontoepistemológicas do pensamento moderno. É professora e diretora do Instituo de Justiça Social (GRSJ) da Universidade da Columbia Britânica. O seu trabalho artístico inclui textos para publicações das Bienais de Liverpool, São Paulo e Veneza, e para a Documenta 14, além de colaborações com Arjuna Neuman nos filmes Serpent Rain (2016) e 4Waters-Deep Implicancy (2018), e eventos (apresentações, paletras e sessões privadas) e textos relacionados às Leituras Poéticas e ao Sensing Salon, com Valentina Desideri.

Nataša Petrešin-Bachelez
Nataša Petrešin-Bachelez é curadora, editora e escritora independente, que vive e trabalha em Paris. Entre vários projetos e exposições que curou estão: “Countour Biennale 9: Coltan as Cotton” (Mechelen, 2019), Defiant Muses. Delphine Seyrig and Feminist Video Collectives in France in 1970s-1980s” no Museu Reina Sofia, Madrid e Museu LaM, Lile (com Giovanna Zapperi, 2019), “Lets Talk about the Weather. Art and Ecology in a Time of Crisis” no Museu Sursock em Beirute (com Nora Razian, 2016), Resilience. Triennial of Contemporary Art” no Museu de Arte Contemporânea (Ljubljana, 2013) e em França: “Becoming Earthling. Blackmarket for Useful Knowledge and Non-Knowledge #18”, no Musée de L’Homme (com Alexander Klose, Council and Mobile Academy, 2015), “Tales of Empathy” no Jeu de Paume (2014), “Sociéte anonyme” no Le Plateau/FRAC Ile-de-France (com Thomas Boutoux e François Piron, 2007).
É a coorganizadora e cofundadora do Seminário “Something You Should Know”, na EHESS, Paris (com Elisabeth Lebovici e Patricia Falguières), e membro do grupo de investigação Travelling Féministe, no Centre audiovisuel Simone de Bouvoir, Paris. É a editora-chefe da plataforma de publicação Versopolis Review, entre 2014 e em 2017 foi a editora-chefe da L’internationale Online, e entre 2012 e 2014 foi a editora-chefe do Manifesta Journal. Entre 2010 e 2012, foi a codiretora do Les Laboratoires d’Aubervilliers.

Valentina Desideri
Valentina Desideri (n. 1982 em Roma, vive e trabalha em St-Erme e Vancouver) é uma artista que lê, escreve e é comprometida organizar entre diferentes comunidades, incluindo o Forum de Artes Performativas em França. Treinou dança contemporânea na Laban Centre em Londres (2003-2006) e mais tarde concluiu um MA em Belas Artes no Instituto Sandberg em Amsterdão (2011-13) e é atualmente uma estudante de PhD no Instituto de Justiça Social na University of British Colombia, Vancouver. Faz Terapia Falsa e Terapia Política, especula em escrever com Stefano Harney, envolve-se em leituras poéticas com Denise Ferreira da Silva, e faz parte da Oficina de Imaginação Política.

Corazon del Sol
Jota Mombaça
Kobe Matthys/Agency
Mark Harris
Stacey Ho
Raquel Lima

Participantes do grupo de estudo:
Ana Balona de Oliveira, Ana Bigotte Vieira, Cristina Roldão, Fallon Mayanja, Mamadou Ba, Mariana Silva, Paula Caspão, Margarida Mendes

Localização
HANGAR – Centro de Investigação Artística
Rua Damasceno Monteiro, 12
1170-112 Lisboa
https://hangar.com.pt
facebook
instagram


you may like