Mark Miller by Editor Maio 25, 2019 0 portfolios

O trabalho de Mark Miller examina as conexões, influências e paralelos de uma experiência rural jamaicana e um contexto britânico urbano negro através de plataformas de arte visuais e áudio. O trabalho visa reunir uma variedade de objetos, estruturas e temas que enfatizem o folclore urbano jamaicano.

O trabalho de Miller explora o folclore e a sua relação com os ambientes urbanos contemporâneos. Considerando as ligações e os paralelos fisiológicos entre a experiência rural e urbana, enquanto método de examinar as estruturas, o processo de produção e as condições que formam as práticas culturais. Através do uso de múltiplos media, predominantemente desenho, áudio e pintura, o trabalho intende demonstrar a abordagem em camadas de questões que cercam nossas relações hiper-complexas com nossa experiência vivida comunitária e individual.

‘Duppy Culture’ e ‘Duppy City’ têm sido um foco do trabalho de Miller, que considera a afro-diáspora para gerenciar novos espaços culturais e psicológicos. As narrativas de ‘Duppy’ (significado jamaicano para espíritos fantasmas ou malévolos) formam um significado moral, temas e mensagens sociopolíticas, surgindo do folclore jamaicano para formar antídotos e estratégias para entender o conflito moral, social e político.

Mark Miller é Circuit: National Lead, um programa nacional de quatro anos liderado pela Tate e financiado pela Paul Hamlyn Foundation. Ele é também diretor de programas para jovens na Tate Modern e na Tate Britain. O seu papel é focado na visão, estratégia, direção e resultados que possibilitam aos jovens, entre os 15 e 25, aceder, participar, produzir e contribuir para a cultura britânica através da Coleção Tate e exposições.


you may like