Cuaderno de ejercicios by Ricardo Setembro 06, 2019 0 Exposições a Decorrer, Novidades a decorrer

Exposição: Cuaderno de ejercicios
Artista: Luis Camnitzer
Curadoria: Bruno Leitão
Inauguração: Sexta-feira, 13 de Setembro, 19h

Datas: 13 de Setembro a 2 de Novembro
Horários: Quarta-feira a sábado | 15h às 19h

Mini-Hangar | Programa de Participação
14, 21, 28 de Setembro, 12,19 e 26 de Outubro 2019
15:00 — 17:00
6 anos – 14 anos
14 anos – 25 anos
6€ público em geral, 4€ amigos ou sócios do Hangar
Sujeito a inscrição, crianças/ famílias

“Conhecimento é poder, e o poder nem sempre é distribuído de forma democrática, ou ética. Se a distribuição equitativa do poder pode ser feita pela arte, neste caso, esta torna-se numa ferramenta de equilíbrio na distribuição de poder.
O Hangar orgulha-se de apresentar a primeira exposição do artista uruguaio Luis Camnitzer em Portugal.
“Cuaderno de ejercicios” é um projecto no qual o público é convidado a participar, a opinar, a intervir criticamente não apenas num livro de recomendações, mas em vez disso na própria instalação do artista. Durante a exposição uma série de actividades do serviço participativo vão activar o espaço como local de reflexão sobre as possibilidades da arte e da linguagem como ferramentas de possibilidades criadoras de novas ordens, mas também como meios para questionar criticamente o fundamento das estruturas que governam o nosso dia-a-dia.
Luis Camnitzer é um artista, pensador e educador cuja enorme influência se tem vindo a fazer sentir entre artistas, teóricos e curadores. O impacto de sua obra é apenas igualado pela importância dos seus escritos no contexto da Arte Conceptual.
Nascido em 1937 na Alemanha emigrou para o Uruguai aos 14 meses e vive em Nova Iorque desde 1964. Professor Emérito da Universidade do Estado de Nova Iorque foi também curador para artistas emergentes no Drawing Center entre 1999 e 2006. Como curador destaca-se a exposição “Global Conceptualismo: Points of Origin 1950s-1980s” organizada pelo Queens Museum or Art em 1999 em conjunto com Jane Farren e Rachel Weiss – exposição que teve como objectivo contar uma história mais inclusiva e contra-hegemonia do nascimento e desenvolvimento do conceptualismo em todo o globo. De entre as suas inúmeras publicações destaca-se “Conceptualismo in Latin American Art: Dialectics of Liberation” pela University of Texas Press in 2007, onde demonstra o alcance político do contributo da arte conceptualista de América Latina enquanto questiona a separação entre arte e política indo ao exemplo extremo de incluir as ações de guerrilha do grupo Tupamaro no Uruguai dentro do seu modelo proto-conceptualista.”

Bruno Leitão