LEFT OVERS

5 a 18 de Dezembro de 2016

Left overs é a 5ª edição do Workshop Internacional organizado pelo Hangar em parceria com a rede internacional Triangle Network (TN).

Left overs pretende ser uma reflexão sobre a ruína, os restos e os fragmentos das memórias daquilo que ficou fora da cartografia histórica e além das margens da memória. Tudo aquilo  que se tentou apagar ou que ficou remanescente do que já passou e não mais importa, seja porque ficou para trás, ou por ter se transformado num arquivo morto ou em destroço sem uso ou lugar. Left overs propõe novas abordagens de reflexão sobre as sombras e os resíduos das memórias pessoais e colectivas culturais de narrativas diversas, em conexão a assuntos como história arquivada, a cidade esquecida, os impérios derrotados, o álbum de família perdido ou as histórias fora do seu lugar.

O Workshop segue o modelo da TN, que consiste em reunir um pequeno grupo de artistas (metade nacionais, metade internacionais) para, em conjunto, desenvolverem intercâmbios artísticos durante duas semanas, num formato de residência artística.

Nesta edição, os artistas participantes são: João Vasco Paiva (PT | Hong Kong), Andreia Santana (PT), Jérémy Panjeanc (PT | França), César Scholfield Cardoso (Cabo Verde), Laila Hida (Marrocos), Leah Gordon (UK). O grupo é escolhido numa lógica de paridade entre géneros e nacionalidades. O objectivo deste workshop é reunir artistas que, para além das suas práticas artísticas, são também activos como produtores culturais e que dinamizam projectos independentes em diferentes geografias.

Um programa com conversas, seminário e Open Day, abertos ao público, completam as actividades do Workshop, dando apoio e visibilidade aos trabalhos em desenvolvimento.

ARTISTAS RESIDENTES

João Vasco Paiva (Coimbra, Portugal, 1979). Vive e trabalha em Hong Kong. Licenciou-se em Artes Plásticas pela Escola Superior de Belas Artes do Porto e obteve um mestrado na City University de Hong Kong. Bolseiro da Fundação Oriente, de 2006 a 2008, leccionou na City University de Hong Kong e fez apresentações em universidades dos Emirados Árabes Unidos e Reino Unido. Expõe desde 2008, tendo já realizado exposições em Zurique, Brisbane, Hong Kong, Seoul, Roterdão, Berlim, Nova Iorque, Londres, Pequim, Moscovo e São Paulo, entre outras cidades. Em 2015, foi seleccionado para a Art Basel de Hong Kong e completou uma residência nos Lichtenberg Studios, em Berlim.

Andreia Santana (Lisboa, Portugal, 1991). Vive e trabalha em Lisboa. Licenciada em Artes Plásticas pela ESAD. Participou no Programa Independente de Estudos de Artes Visuais da Escola Maumaus. Vencedora do Prémio Novo Banco Revelação 2016 e do Prémio de Escultura D. Fernando I. Em 2013 esteve em residência na Galeria Mieszkanie Gepperta (Varsóvia, Polónia). Desde 2012 expõe regularmente em Portugal e no estrangeiro, tanto individualmente como em exposições colectivas, nas quais se distinguem: Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto; Tabula Rasa, Zaratan – Arte Contemporânea, Lisboa (2015); No Water on the Other’s Edge, Mieszkanie Gepperta Gallery, Varsóvia, Polónia; Vários actos em torno do desenho (2013) Galeria Lagoa Henriques, Lisboa.

César Schofield Cardoso (Mindelo, Cabo Verde, 1973). Vive e trabalha em Praia, Santiago, Cabo Verde. Dedica-se à fotografia, cinema e media art. Em 2006 lançou o PRAIA.MOV, um movimento de cultura urbana na cidade da Praia, Cabo Verde, em colaboração com arquitetos, artistas e outros pensadores críticos, que marcou a sua produção em torno de questões de cidadania, justiça, espaço urbano e identidades. Em 2009, produziu a instalação de vídeo UTOPIA, sobre o tema da liberdade. ROOT(S), um dos vídeos desse projeto, recebeu o Prêmio do Público e uma Menção Honrosa no Festival Internacional de Cinema do Sal, Cabo Verde, 2010. Participou da Bienal de São Tomé e Príncipe em 2011, para a qual ele produziu o vídeo SPRITU, apresentado também no Museu da Cidade, Lisboa, em 2012. Neste mesmo ano exibiu a vídeo instalação UTOPIA na Galeria Graça Brandão, Lisboa. Cesar Cardoso é co-fundador da plataforma de Cinema Negro www.ficine.org e foi o Coordenador do Departamento de Cinema e Media Art do Ministério da Cultura de Cabo Verde entre 2012 e 2016.

Laila Hida (Casablanca, 1983) Vive e trabalha em Marraquexe. É fotógrafa freelancer e ativista cultural.  Fundadora do Le 18 Derb el ferrite, espaço cultural e artístico alternativo localizado dentro da Medina, onde organiza exposições, workshops, encontros e projetos educativos em colaboração com artistas e pesquisadores locais e internacionais. Seus últimos trabalhos centram-se principalmente em retratos e fotografia encenada, representando situações diversas, imaginária, absurda e surrealista.

Leah Gordon (Ellesmere Port, Cheshire, 1959). Vive e trabalha em Londres. Artista multimídia que trabalha com filmes, fotografia, instalações e muitas vezes esculturas e pinturas comissionadas. Faz projetos curatoriais, pesquisa, escreve e dirige filmes. Modernismo e arquitetura, comércio de escravos e industrialização, religiões de base, histórias de classe e do povo são temas frequentes de seus trabalhos. É co-diretora da Bienal do Ghetto em Port-au-Prince, Haiti, foi curadora do Pavilhão Haitiano na 54ª Bienal de Veneza. Em 2015, Gordon e seu parceiro André Eugène receberam o Prêmio Viagem Colección Patricia Phelps de Cisneros pela América Central e Caribe.

Artistas e curadores convidados

Alexandre Estrela (Lisboa, Portugal, 1971). Vive e trabalha em Lisboa. Desde a década de 90 Estrela  desenvolve a sua produção artística no âmbito da arte experimental. O seu trabalho inicial, radicado nas estratégias conceptuais do vídeo enquanto meio, proporcionou a criação de uma linguagem visual própria. No presente, o seu trabalho remete para um questionamento constante da natureza perceptiva da imagem. Fez o mestrado em Artes Plásticas na School of Visual Arts, de Nova Iorque, e o curso de Pintura na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. Também em Nova Iorque fez uma residência no International Studio and Curatorial Projects (2002-03). Actualmente reside em Lisboa, onde é professor de Audiovisuais na FBAUL desde 2004. Entre outros projectos, mantém uma programação regular de cinema experimental no espaço “Oporto”, em Lisboa.

Duarte Amaral Netto (Lisboa, 1976). Vive e trabalha em Lisboa. Estudou fotografia no Ar.co de 1996 a 2000, participou na primeira edição do Curso de Fotografia da Fundação Calouste Gulbenkian em 2004 e obteve o European Master of Fine Art Photography no IED Madrid em 2016 (com a bolsa IED). Expõe regularmente desde 2002, quando recebeu o Grand Prix du 48ème Salon de Montrouge, em Paris. Representou Portugal na exposição “100 photos pour l’Europe” em Paris e foi seleccionado para diversos festivais e eventos como “European Night” em Arles (2006) ou Plat(t)form em Winterthur (2014). Em 2012 foi nomeado para a 8ª Edição do Prémio BES PHOTO com exposições no Museu Berardo em Portugal e Pinacoteca de São Paulo no Brasil. É professor de Fotografia no Instituto Politécnico de Tomar desde 2003.

João Paulo Serafim (Paris, França, 1974). Vive e trabalha em Lisboa. Formado em Fotografia e Artes Plásticas no Ar.Co, escola onde lecciona no Departamento de Fotografia desde 1998. Em 2005 participa no Curso de Fotografia do programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística, tendo em 2008 frequentado o curso de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa. Em 2005 foi vencedor do 3º Prémio Purificacíon García. Desenvolve desde 2005 o projeto MIIAC – Museu Improvável Imagem e Arte Contemporânea, museu ficcionado baseado numa pesquisa iconográfica de um acervo pessoal, construído ao longo do percurso do artista. O MIIAC materializa-se virtualmente ou através de exposições em diferentes espaços, combinando memórias pessoais e colectivas. Colabora ainda com espetáculos teatrais e coreográficos.

Rodrigo Tavarela Peixoto (Lisboa, Portugal, 1974). Vive e trabalha em Lisboa. Fotógrafo português, expõe regularmente desde 1999, ano em que terminou seus estudos no Ar.Co. Neste ano recebeu uma bolsa da FLAD que lhe permitiu continuar os estudos na SVA, Nova Iorque. Em 2010 concluiu o Mestrado em Artes Plásticas na ESAD.CR. Está presentemente a realizar um Doutoramento em Estudos de Comunicação como Bolseiro da FCT. Desde 2007 lecciona várias disciplinas nas Licenciaturas de Fotografia, Animação Digital e Cinema na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Fundou a empresa Resize, realizando trabalhos de Fotografia desde 2001. As suas fotografias estão representadas em algumas das mais importantes coleções portuguesas, como a coleção PLMJ, BES Arte e Fundação EDP.

Valter Ventura (Lisboa, Portugal, 1979) Vive e trabalha em Lisboa. Licenciou-se em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em 2005, como bolseiro do Banco Espírito Santo, frequentou o Curso Avançado de Fotografia no Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual. É professor especialista no Curso Superior de Fotografia do Instituto Politécnico de Tomar, colaborando também com o Ar.Co, o Atelier de Lisboa e a Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. Em 2008, participou (em dupla com José Nuno Lamas) no Curso de Fotografia do 2º Programa de Criatividade e Criação Artística da Fundação Calouste Gulbenkian. Entre 2012 e 2014 foi responsável pela documentação fotográfica no Carpe Diem – Arte e Pesquisa.

 

Alessio Antoniolli vive e trabalha em Londres. Director da Gasworks, programa de residências, exposições e projectos participatórios com enfoque em artistas emergentes britânicos e práticas e artistas internacionais, Alessio é também Director da Triangle Network, uma rede global de artistas e organizações de âmbito local. As suas funções são de gestão, angariação de fundos e planeamento estratégico da TN, assim como de colaboração com novos parceiros para o desenvolvimento de projectos tais como residências e workshops. Em 2009 Alessio impulsionou o Programa de Partilha de Conhecimentos e Competências, uma série em curso de oportunidades de formação e desenvolvimento profissional para artistas e coordenadores da TN. Alessio é detentor de um MA em História de Arte pelo Birkbeck College, University of London, especializado em questões de internacionalismo, diversidade e políticas culturais nas artes visuais no Reino Unido.

Jeanne Mercier vive e trabalha entre África e França. É crítica e curadora independente. Co-fundadora e editora-chefe da Africa in Visu, primeira plataforma de intercâmbio em torno da fotografia em África. Formada em História da Arte e Fotografia, em 2005 publicou tese sobre “Encontros africanos da fotografia / Bamako Bienal” e trabalha em novas práticas e formas de divulgação da fotografia na África do Norte e Ocidental. Atualmente divide seu tempo entre a África em Visu e consultorias para programação cultural em torno das práticas fotográficas contemporâneas e as questões dos fotógrafos profissionais em África. Escreve para vários periódicos fotográficos (O Olho da Fotografia, Diptyk, Fisheye Lens Culture). Em 2015, foi curadora dos Rencontres Internationales de la Photographie de Fez. Em junho / julho de 2016, foi convidada pela Cidade de Lisboa para uma residência de pesquisa em curadoria. Em setembro de 2017 será uma das oito curadoras tunisianas para o primeiro festival fotográfico em Kerkenah. Jeanne Mercier é indicadora do Pictet Price desde 2010 e membro do júri do Popcap Prix, Prêmio de Fotografia Contemporânea Africana.

PROGRAMA PÚBLICO

  • 6/12, Terça-feira, 19h00 – Conversa de Artista, com Alexandre Estrela (PT)
  • 7/12, Quarta-feira, 19h00 – Conversa de Artistas, com a equipa da Hélice do Hangar (Duarte Amaral Netto, João Paulo Serafim, Rodrigo Tavarela Peixoto, Valter Ventura) (PT)
  • 8/12, Quinta-feira, 19h00 – Conversa com os artistas internacionais participantes do Workshop e a Curadora Jeanne Mercier (FR)
  • 9/12, Sexta-feira, 19h00 – Conversa com os artistas nacionais participantes do Workshop e a Curador Bruno Leitão (PT)
  • 10/12, Sábado, 19h00 – Seminário “Espaços e residências independentes geridos por artistas”, com o Director da Gaswork, Alessio Antonini (UK) e os participantes do Workshop.
  • 17/12, Sábado, 15h00 – Open Day – Evento e Performance

CORDENADORES

Bruno Leitão

Mónica de Miranda

PRODUÇÃO

Ana de Almeida
Ingrid Fortez
Rachel Korman

COMUNICAÇÃO

Rachel Korman

ESTAGIÁRIOS

Albena Budinova

Alise Berzvade

RESIDÊNCIA CULINÁRIA

Walter Alexandre (ANG)