Station Lisbon

Station Lisbon

Station Lisbon

Station Lisbon

Station Lisbon

Station Lisbon

FONTE

A Fonte é um núcleo de jovens africanos na diáspora que se uniram com base em valores comuns para a celebração da cultura, individualidade e subjetividade das pessoas negras e africanas. Abrimos espaço de conversa, discussão, partilha e aprendizagem; um espaço metafísico e elástico focado em desuniversalizar narrativas eurocêntricas através da arte e do diálogo. Uma família em extensão, formada pelas pessoas que colaboraram e colaborarão com a Fonte, na descontrução de sistemas de pensamento anti-negros e na elucidação do ser africano.

© Fonte

15/09/2021 às 18h

1 – Linguagens e Adaptação

Neste episódio, quatro mulheres negras da fonte debatem Linguagens e Adaptação. Na primeira parte discutem-se as linguagens de opressão existentes no mundo ocidental e de que forma se adaptam e/ou contornam as mesmas. Na segunda parte do episódio são feitas interpretações de alguns poemas do livro ‘Ingenuidade Inocência e Ignorância’ da poeta Raquel Lima. 

Oradorus: Rafaela Neto, Fabrícia Glória, Laima Barros, Nael D’Almeida

22/09/2021 às 18h
2 – Masculinidade

A conversa deste episódio da Fonte acontece entre homens negros cis que cresceram na diáspora – no caso, Portugal – e agora partilham connosco as suas vivências dentro da mesma. Exploram questões como as suas relações com mulheres, o que absorveram e projetaram do ambiente envolvente ao longo da sua infância e outros tantos aspectos que têm em comum enquanto seres que se veem condicionados pelos códigos machistas da sociedade. A segunda parte conta com uma análise e discussão do filme liberiano-francês Johnny Mad Dog (2008). 

Oradorus: Tristany, Henrique J. Paris, Vitor 

29/09/2021 às 18h
3 – Mecanismo Cura

Este episódio leva-nos a pensar em como corpos com passados interrompidos e histórias negligenciadas, têm encontrado formas de restabelecer o conforto. São celebradas noções de espiritualidade, conexão com a natureza e ligação com o útero materno. Seguindo estas mesmas noções ouvimos algumas faixas do álbum ‘Bom Mesmo é estar debaixo de água’ por Luedji Luna. 

Oradorus: Nael D’Almeida, Vânia Puma, Khira 

6/10/2021 às 18h
4 – Filosofia Africana

Neste episódio é aberta uma conversa com Katiúscia Ribeiro, filósofa brasileira que resgata o pensamento e as filosofias africanas para a comunidade negra. Nesta roda partilhada com dois membros da Fonte, existe um câmbio de perspetivas sobre o saber afrocentrado e faz-se um paralelismo entre as filosofias africanas e as filosofias eurocêntricas. Numa segunda parte é feita a análise da obra ‘Ensino de Filosofia e a Lei 10. 639’ por Renato Nogueira, trazida pela professora Katiúscia. 

Oradorus: Katiúscia Ribeiro, Nael D’Almeida, Henrique J. Paris

13/10/2021 às 18h
5 – Heranças de Som

Neste episódio, abrimos uma reflexão entre quatro pessoas angolanas na diáspora que contam as suas relações com ritmos culturais angolanos. Mostrando de que forma estas sonoridades moldam as suas vivências tanto nas suas produções artísticas como nos seus registos quotidianos. Na segunda parte, ouvimos faixas do álbum ‘Se Eu Fosse Angolano’ do artista Nástio Mosquito. 

Oradorus: Nael D’Almeida, Oséias, DJ Danifox, Tistany, Henrique J. Paris 

20/10/2021 às 18h
6 – Terrenos e Histórias Invisíveis

No presente episódio são explorados temas como a presença africana em Portugal e o planeamento da cidade de Lisboa, que marginaliza corpos negros e os coloca na periferia, ao mesmo tempo que destrói os espaços criados pelos mesmos com o fim de comunhão. Discutem-se também mecanismos de adaptação às barreiras colocadas ao desenvolvimento da comunidade africana em Portugal. Para fechar, Joãozinho, traz-nos algumas das obras que contemplou durante o processo de criação da sua peça teatral ‘Duas peças de xadrez’. 

Oradorus: Kalunga, Joãozinho, Henrique J. Paris, Tristany 

27/10/2021 às 18h
7 – Não binariedade

No sétimo episódio contextualizamos a não binariedade como um saber ancestral. De seguida, refletimos nas vidas de pessoas que optam por não se identificar com construções binárias de gênero, numa sociedade que insiste em invisibilizar e/ou ignorar as suas vivências.

Na segunda parte do episódio Erika Gomes faz a leitura de 7 poemas integrados no seu recente livro ‘PRINCIPALMENTE AMALDIÇOADA, MU KLÔPÔ PLIXIZA DIZANDA’.

Oradorus: Azul, Erika, Fabricia, Henrique J. Paris

03/11/2021 às 18h
8 – Diáspora e Oralidade

Neste último episódio, trazemos uma ampla reflexão de que forma as gerações distintas têm se vindo a transmitir diversos sentidos de africanidade. Quer do mais velho para o mais novo como do mais novo para o mais velho, na diáspora ou não.

Oradorus: Nael D’Almeida, António Martins, Laima Barros, Katy

Station Lisbon © 2022. Todos os direitos reservados. Webdesign by Weborbi