VAMOS SER ARTISTAS NO VERÃO!!!

Acabou! Acabaram-se as horas de estudo, os trabalhos de casa, o acordar cedo e rumar para a escola. O Mini Hangar propõe para o Verão várias opções de actividades artísticas, que te vão ajudar a tornares-te num verdadeiro artista. As actividades incluem animação, desenho, fotografia, teatro de sombras, performance, escrita criativa e ainda o que a tua imaginação inventar. Todos os Ateliers organizam uma apresentação final para os pais, família e comunidade em geral, na galeria do Hangar. Os pequenotes sentem-se uns verdadeiros artistas e terão a experiência de ser ensinados por verdadeiros artistas. O leque de artistas contam com Susana Anágua, Daniel Vasconcelo Melim, Eugénia Mussa, Mariana Ramos, Beniko Tanaka, Ingrid Fortez e mais convidados!!!

[ Inscrições e programa completo brevemente ]

Local: MINI-HANGAR | Rua Damasceno Monteiro, 12 (Graça)
Número de crianças: mínimo de 5 e máximo de 12

Inscrições: ana.almeida@hangar.com.pt | geral@hangar.com.pt | 21 887 1481

Detalhes

ATELIERS LIVRES | VERÃO NO MINI-HANGAR

5 aos 12 anos
11 Julho a 9 Setembro | segunda a sexta | 10h00 às 17h00

De seg 11 a sex 15 de julho
De seg 18 a sex 22 de julho
De seg 25 a sex 29 julho
De seg 01 ago a sex 05 ago
De seg 08 ago a sex 12 ago
De seg 05 set a sex 09 set

 

 

PREÇOS:

1 semana : 80 € / criança

1 Dia : 20 € / criança

1/2 dia: 10€ / criança

Inclui materiais e seguro de acidentes pessoais.

Desconto de 20% para irmãos e para inscrição em mais que uma semana.

Desconto 20% para sócios

Alimentação (opcional) 25€ semana / criança (lanche da manhã, almoço e lanche da tarde)

Mínimo 5 participantes l máximo 12

O MINI-HANGAR reserva-se o direito de não realizar a actividade caso não se atinja o nº mínimo de inscrições

Ateliers

ANIMA-TE … estamos de férias!!!

seg 11 julho a sex 15 julho

Artistas monitores: Mariana Ramos

Que países e lugares no mundo gostarias de visitar? Partimos do Hangar em busca desses lugares. em transportes inventados e passando por paisagens criadas por nós. Podemos dar à volta ao mundo sem sair do mesmo sítio. Dando asas à imaginação, fazemos um pequeno filme de animação a partir dessas viagens! Vem experimentar.

RI MA PLÁSTICA

De seg 18 a sex 22 de julho

Artistas monitores: Ingrid Fortez

Férias como aprendizes de arte. Às vezes no atelier, outras vezes, no mundo fora dele. A natureza como ponto de partida, a identificação da matéria, as formas, os elementos que inspiram a arte e o que nos liga a ela.

Fazer o que os artistas fazem: colocar a emoção e a subjectividade para criar uma maneira própria de apresentar as coisas, jogando com a imaginação, expressando-se sobre práticas artísticas, criando a sua própria interpretação do mundo em objetos, ações e composições.

Os aprendizes vão experimentar as ideias, expressar espontaneamente e sob-orientação, descobrir as próprias apetências artísticas, investigar algumas noções e teorias à prática das artes, para resultar numa apresentação conjunta sob a forma mais abrangente das artes que é a performance.

GEOGRAFIAS SINGULARES

seg 25 julho a sex 29 julho

Artistas monitores: Susana Anágua

A partir do conceito de Geografia como metáfora do espaço.

A partir das novas noções de território e identidade, de fronteiras e linhas de limite esta oficina propõe aos participantes uma relação com espaço enquanto parte fundamental da nossa geografia pessoal.

Através do desenho e de colagens e com o apoio de ferramentas digitais, como a fotografia ou o vídeo, os participantes responderão ao desafio de criarem o seu próprio território e mapa ficcional, no qual definem rotas, percursos, fronteiras e regras culturais a partir de quem são e de quem querem ser.

TEATRO DE SOMBRAS & BRINCADEIRAS JAPONESAS

seg 01 ago a sex 05 ago

Artistas monitores: Beniko Tanaka

No Japão existem muitas formas de entretenimento originais ainda desconhecidas da maior parte dos públicos no mundo ocidental. Brincar é muito importante para o desenvolvimento pessoal e cognitivo da criança. Por este motivo, oferecemos momentos de formação lúdica através da aprendizagem de brincadeiras divertidas e canções Japonesas, acompanhadas de coreografias simples e jogos de grupo.

No final desta fase de formação lúdica, as crianças serão convidadas a participar na concepção e exibição de um espectáculo de teatro de sombras.

O objectivo basilar desta iniciativa consiste em proporcionar aos seus participantes (as crianças, mas também o seu público de pais familiares e amigos) o contacto com uma cultura tão longínqua e afinal tão próxima da memória, da arte e da historia portuguesas.

O SOM DO LÁPIS A AFIAR

seg 08 ago a sex 12 ago

Artistas monitores: Eugénia Mussa & Daniel Vasconcelos Melim

Se esta pintura tivesse um som, como era ? Será que dá para desenhar as coisas que a música tem?

Normalmente achamos que pintura e música são dois mundos separados, mas nestas actividades descobrimos que estas duas artes passam a vida a falar uma com a outra e a dar ideias uma à outra. Para quem adora música e desenhos e não consegue decidir de qual gostas mais.

se esta pintura tivesse um som, como era ?

FOTOGRAMAS & JOGOS DE LUZ!

seg 05 set a 09 sex

Artistas monitores: Mariana Ramos

Já alguma vez entraste numa câmara escura para fazer uma fotografia analógica? Sabias que antes das máquinas digitais eram necessários papéis e líquidos especiais para imprimirmos uma fotografia? Neste Atelier vamos fazer fotogramas, silhuetas de Luz, criar com objectos do teu dia a dia.

Concepção e Orientação

Ana de Almeida

Formada em Fotografia e Comunicação pela London College of Communication e em “New art”, arte experimental a nível fotográfico, pelo Chelsea College of Art&Design, Londres. Trabalhou durante dois anos como professora de Arte e Educação de minorias étnicas da Clapham Manor Primary School em Londres. Orientou várias workshops de fotografia com crianças e jovens, intitulados “let’s make pictures that you can play and feel with“ em várias escola e instituições em Londres. É co-fundadora da Sociedade Lomográfica em Portugal, movimento artístico internacional de fotografia analógica, onde desenvolve vários projectos fotográficos a nível nacional e internacional como participante, formadora e produtora.

Beniko Tanaka

Nascida a 1976 em Tóquio, Japão, chegou a Portugal em 2005, com uma licenciatura em Artes Decorativas (Arts and Crafts), pela Universidade de Arte em TAMA – Tóquio, assim como um diploma especializado em arte do vidro e um amor incondicional por todas as coisas relacionadas com luz e reflexos. Rapidamente se apaixonou pela luz de Lisboa, decidindo ficar e completar a sua formação com um curso avançado em Artes Plásticas no Ar.Co (Centro de Arte e Comunicação Visual). Foi um passo natural combinar o conhecimento adquirido e sua grande paixão por culturas orientais – tanto o lado artístico como o espiritual a fim de desenvolver diferentes formas de artes cénicas, sempre inspirados na natureza e no seu interior e os fluxos de energia exteriores.

Desde esse momento, Beniko Tanaka tem realizado inúmeras intervenções, espectáculos e performances a solo e em colaboração com diversas instituições em Itália, Japão e Portugal.

Ingrid Fortez

Licenciada em Estudos Artísticos pela Faculdade de Letras (UL), variante de Artes de Espectáculo, frequenta a pós-graduação em Comunicação de Tendências (FLUL); trabalha com música e poesia (com Dead Combo, Social Smokers, SirScratch, Cabace…; como diseur para Mar de Letras e Um poema por Semana – RTP2/África) teatro e performance (Direcção e Criação de Vanessa, launch do grupo Griot Teatro, é pupila em encenação de Rogério de Carvalho); produz profissionalmente eventos culturais ou de informação cultural desde 2006 (para Sons da Lusofonia, Subfilmes/SicNotícias e Internacional, Chapitô, Serralves, São Luíz, LeCool Magazine…). Nos últimos 7 anos coordenou Atividades de Tempos Livres e Programas de Férias com o Agrupamento Nuno Gonçalves e, mais recentemente, para o Colégio Leonardo Da Vinci – Luanda- desenvolvendo um trabalho no âmbito da formação e Expressão Musical, Iniciação à Prática Teatral e Performance, bem como, desenvolvendo atividades no âmbito da Educação Ecológica e atividades em contexto de Biblioteca Escolar (coordenadora; organizadora de feiras de livros, tertúlias com autores de literatura infanto-juvenil, oficinas de Expressão Escrita…).

Eugénia Mussa

Eugenia MUSSA (Maputo, 1978) iniciou seus estudos em artes plásticas na City & Islington College, em Londres, e licenciou-se em Pintura na Ar.Co, em 2009. No mesmo ano foi uma das finalistas do Prémio Anteciparte. Em 2010 recebeu uma Menção Honrosa na exposição comemorativa do 25º aniversário do Banco de Moçambique.Na sua pratica artística podemos encontrar uma preocupação constante com o repensar a história dos movimentos artísticos da pintura. Atualmente, ela vive em Lisboa exibindo regularmente em várias galerias. Em 2013, ela teve uma exposição individual no Espaço Arte Tranquilidade, exibiu na Fundação Calouste Gulbenkian e na galeria João Esteves Oliveira, em Lisboa. As suas obras fazem parte de coleções particulares e institucionais.

Mariana Ramos

Nasceu em Lisboa, 1978. Mestre em Escultura pela FBAUL, 2012. Curso avançado da MauMaus, 2003. Expõe regularmente desde 1999. Salienta-se o projecto desenvolvido no Hospital de Santa Maria em Lisboa, inserido no projecto Les ateliers d’artistes à l’hôpital en Europe 2004 organizado por Art dans La Cité, Uma vida de uma escultura, Galeria Carmina, Angra do Heroísmo, 2008. Em 2009 apresenta na sala Bebé do espaço avenida 211 (Lisboa) Pontuação a três cores primárias. Desenvolve trabalho educativo no âmbito das artes plásticas e cinema de animação desde 1999. Trabalha no Serviço Educativo do Museu Colecção Berardo desde 2011, e no do Atelier-Museu Júlio Pomar desde Abril de 2013. Colabora no Centro de Formação Artística do Teatro da Voz desde a sua criação em 2013.

Susana Anágua

N. (1976) Vive e trabalha em Lisboa e Rio de Janeiro. Doutoranda de Processos Artísticos Contemporâneos da UERJ-Rio de Janeiro e Mestrado em Digital Arts pela Universidade de Artes de Londres (Camberwell College of Arts). Licenciatura em Artes Plásticas na Escola Superior de Artes e Design (ESAD) das Caldas da Rainha, onde também lecciona desde 2009.

Das exposições individuais destacam-se, em 2012, “Olhar Radar” , Rio Janeiro ou em 2008, “Desnorte/ Northless”, sala de projectos do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa. Instalações de intervenção pública tais como, em 2010 “Carris Arte em Movimento”, projecto instalação no Ascensor da Glória, Lisboa e o projecto realizado no âmbito da comemoração da eleição das “7 Maravilhas de Portugal”, Mosteiro da Batalha, em 2008. Das residências artísticas e bienais destacam-se, em 2013, “Viagens Invisíveis”, com o apoio da DGARTES para a Bienal de São Tomé e Príncipe, coordenação artística da residência internacional “OFFLINE”, na LARGO residências em Lisboa e a participação em “Transient” – “Entre álbuns e arquivos” – “Xerem e Triangle Networks” – em 2012 – “Largo Residências” – Lisboa.
Das exposições colectivas salientam-se em 2012, “LinkFest”, Irlanda, “Arround A Volta”, Marselha, em 2005, “Sete artistas ao décimo mês”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; “E=mc2”, Museu Nacional da Ciência e da Técnica, Coimbra; “AntecipArte 2005”, Estufa Fria, Lisboa; em 2004 “Prémio City Desk”, Centro Cultural de Cascais, Cascais; em 2005 “Movimentos perpétuos, Arte para Carlos Paredes”,
Cordoaria Nacional em Lisboa entre outras.

É artista representada pela Galeria Graphos, no Brasil, Rio de Janeiro.

Daniel Vasconcelos Melim

Daniel Vasconcelos Melim é um artista que desenvolve trabalho individual e comunitário. Vive e trabalha em Lisboa. Formado em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (2006) e em Applied Anthropology and Community and Youth Work (MA) pelo Goldsmiths College (Londres, 2016). Finalista do Prémio EDP Novos Artistas 2007, venceu o Prémio Fidelidade Mundial Jovens Pintores em 2011 e foi semi-finalista do projecto mundial 100 Painters of Tomorrow (Thames & Hudson, 2014). Desde 2006, já expôs individualmente ou desenvolveu projectos em Portugal, Espanha, Brasil, Reino Unido e Alemanha. Interessa-se pela dimensões afectivas, históricas, colectivas, políticas, ecológicas e espirituais da criação.
Durante vários anos foi colaborador do Serviço Educativo do Centro de Arte Moderna da Fundação da Calouste Gulbenkian, assim como leccionou nas escolas Arte Ilimitada e Nextart, em Lisboa.